[Resenha] Ligeiramente Pecaminosos, de Mary Balogh

Apenas por existir, Ligeiramente Pecaminosos por si só já é um spoiler. No livro anterior, Ligeiramente Seduzidos, descobrimos que Aleyne Bedwyn foi dado como morto durante a Batalha de Waterloo. Porém, Ligeiramente Pecaminosos é nada menos do que a história desse personagem, o quinto dos irmãos Bedwyn a ter sua história narrada por Mary Balogh.

Dessa forma, neste quinto volume da série, o leitor que vem acompanhando livro por livro dos irmãos Bedwyn tem finalmente a oportunidade de saber o que de fato aconteceu com Aleyne durante a Batalha – por mais que o livro anterior tenha deixado um suspense no ar sobre o que viria a seguir. Não pretendo me estender muito mais do que isso ao falar do que o livro se trata, pois já estaria passando muitos spoilers. O que o leitor precisa saber a priori é apenas que terá conhecimento do que aconteceu com o quinto irmão, além de também (como de costume) acompanhar sua história de amor.

Assim como nos livros anteriores, Mary Balogh capta a atenção do leitor com sua escrita simples, porém muito envolvente e cativante. Ela segue o estilo de narrativa dos livros anteriores, apresentando fatores que existiam na sociedade londrina do século XIX, sempre quebrando os paradigmas de hoje que já existiam na época. Dessa vez, ela vai ainda mais adiante ao apresentar uma mocinha que está imersa em um mundo de pecados, já que ela vive em um bordel.

Toda a história de pano de fundo é apresentada e desenvolvida corretamente, de modo que não nos sentimos perdidos ao longo da leitura. Também o livro apresenta diversos personagens novos, que nos conquistam logo a princípio. Acredito realmente que os leitores da série se apaixonarão por mais essa nova história – e por Alleyne, claro! Ele é, oficialmente, o meu Bedwyn favorito do momento. Agora sigo aguardando pela publicação do livro de Wulfric, o Duque com coração de pedra.

Revista | 3 dicas pra terminar 2016 com outro estado de espírito, por Fabiana Zau

2016, esse ano marcado por vários escândalos e tragédias, principalmente no meio político, está chegando ao fim. Contudo, ainda há tempo de transformar seu finalzinho de ano para iniciar 2017 com outro estado de espírito. Dessa forma, listei 3 conselhos para nos prepararmos psicologicamente para o próximo ano. Menos Maniqueísmos e mais empatia, por favor! […]

Revista | O valor que damos, por Gabe Anart

Dezembro. Parece tão complicado pensar nas coisas boas que o ano nos trouxe… Por quê? Desde quando nos acostumamos a dar mais valor ao que nos fere do que ao que nos faz feliz? Ter que cavar no fundo da mente para recuperar boas memórias não deveria ser normal. Elas deveriam estar presentes o tempo […]

Revista | A Mudança, por Thaise Amorim

31 de Dezembro de 2015, às 23:55 Uma garota vestida de branco está parada na beira do mar, sentindo as ondas baterem e molhar seus pés, o vento balança seus cabelos, o som do mar enche seus ouvidos e o cheiro da maresia penetra em suas narinas. Naquele momento ela não sabia, mas estava em […]

Revista | Valeu 2016, foi bem esquisito

Quando criança, eu a-d-o-r-a-v-a brincar de Barbie. Acho que porque criava várias histórias onde eu era várias pessoas. E, claro que, dentro da historia, tinha meus personagens favoritos. Só que, havia vezes que a brincadeira ficava chata. Sei lá o que acontecia que não dava certo e ficava chato. E o que fazíamos? Isso, mesmo! […]