Cresça, independente do que aconteça

Crescer, amadurecer, evoluir processos difíceis demais e os mais naturais também. Nada é tão certo quanto está certeza, vamos crescer até o dia de morrer e de repente tudo vai mudar, seus gostos, suas vontades, seus sonhos. Tudo vai ser outra coisa, como diria Heráclito, filosofo grego da antiguidade clássica “tudo flui” e isso é a vida, isso é viver.

Mas o que éramos e o que somos? O que afinal deixamos de ser? O que nos tornamos, por hora, enfim? Posso falar por mim, criança inocente, apaixonada e boazinha, a vida me ensinou que o mundo não é assim, os sentimentos precisam ser lapidados, modificados, amadurecidos.

O mundo nos obriga a ser fortes, nos obriga a abandonar nossa inocência. Heróis o que conseguem faze-lo sem abandonar sua essência. Sábios os que conseguem perceber que não teremos tudo que queremos, as coisas nem sempre vão acontecer como planejamos, nada é eterno como os contos de fadas e tudo vai se transformar.

Acho curioso pensar que na infância somos princesas, astronautas, professores, médicos, heróis, somos cada dia uma coisa, somos ensinados e doutrinados a pensar que não há limites para nossas vontades.

Já na adolescência, entendemos tudo desse modo que nos foi ensinado na infância, então não queremos ser nada, já sabemos de tudo, já podemos tudo, já somos tão poderosos e por isso não precisamos ser mais.

A idade adulta vem negar tudo isso. Temos que escolher um caminho e seja qual for será árduo, difícil, envolverá uma luta que vai nos mostrar dia a dia que somos pequenos frente a magnitude da natureza, da sociedade, da existência que teima em nos forçar a crescer. Que a nossa única certeza passa a ser apenas a nossa mente e a nossa consciência.

Seguimos então, lutando, vencendo e perdendo, cada dia uma batalha, cada derrota, uma vitória.

O que seria da vida se nossa infantil realidade se mantivesse em nós para sempre? Jovens felizes, inocentes e sempre os mesmos, que saudade da minha infância, que alegria ser quem eu sou hoje e poder fazer tudo diferente daquela época. Poder errar, poder sofrer, poder dar as devidas proporções a mim mesma e depois assistir elas se transformarem.

A maturidade parece ingrata, dolorida, e ela é mesmo, mas ao mesmo tempo ela é a maior adrenalina que você pode ter na vida e encarar o seu desenvolvimento pessoal como uma aventura pode lhe trazer ganhos ilimitados. Evoluir é sensacional.

A graça da vida é saber que não vai ser fácil e as vezes, nós demoramos muito a perceber que isso é o que há de melhor em viver. É assustador, porque nossas internas crianças querem tudo e querem agora, nossos adolescentes acham que não precisamos de mais nada, sabemos de tudo já, somos tudo. Mas nossos adultos disputam batalhas com nossas crianças em nossas mentes todos os dias e cada um vence uma.

Hoje me tornei uma adulta, mas minhas batalhas internas continuam, meu eu do passado fala sobre mim, sobre quem eu sou, sobre o que eu não devo e não sou capaz de fazer.

Hoje enxergo que viver é uma eterna aprendizagem, um eterno persistir, se reinventar, calar a voz da criança nos momentos de evolução, faze-la aceitar que tudo vai fluir, que tudo vai mudar, pessoas irão embora, pessoas novas surgirão, o que te faz vibrar o coração hoje, pode ser só uma lembrança boba do passado, algo que você não precisa mais viver, equilibrar-se em todos os seus “Eus” é o seu maior desafio a ser vencido e encarar este fato com perseverança é a única estratégia para uma vida bem vivida.

Seja você sempre, seja diferente sempre, mantenha seus valores, seus princípios, sua dignidade, mas evolua, cresça, se desafie, se desenvolva, deixe de ser o que você era, seja cada dia melhor e quando chegar ao fim, terás vivido uma boa vida.

Já fui poeta

Já fui poeta um dia. Já tive condições de reunir pelas palavras, ou, pelo menos, achava que tinha. Como era bom sonhar que podia distribuir flores verbais por ai! Cresci, entrei na faculdade e continuei, ou, pelo menos, tentei. Sempre me inspirei no que achava que era amor para escrever meus versos. Lá na primeira […]

Resenha | Os 27 Crushes de Molly, de Becky Albertalli

Existe amor em qualquer escrita de Becky Albertalli? (a) Sim. (b) Com certeza. (c) Serão os melhores livros do gênero que você vai encontrar. (x) Todas as opções anteriores. Após surpreender a todos com uma escrita leve, mas não menos relevante em Simon vs A Agenda Homo-Sapiens, a autora volta para Os 27 Crushes de […]

O dia em que morri

Desisti, eu vou pular. Antes, porém, gostaria de falar sobre o dia em que morri. Não, não é sobre hoje. Hoje eu só concretizo a minha morte, mas eu já morri, bem antes. Serei breve no meu relato, mas sinta-se à vontade para se sentar e ficar mais confortável. Vou começar… Eu sempre fui uma […]

Resenha | Uma Bolota Molenga e Feliz, de Sarah Andersen

Uma Bolota Molenga e Feliz é o segundo livro de Sarah Andersen, conhecida pelas tirinhas que publica na sua página do facebook, além das outras redes sociais. A identificação com seu texto e as situações descritas é instantânea: quem nunca deixou para depois a tonelada de coisas que precisava fazer hoje? Quem nunca precisou fazer […]

O que eu deixei de ser quando cresci

Ser criança era, acima de tudo, ser livre. Sem dúvida, ser livre significava respeitar regras e ter muitos limites, mas a verdade é que o limite que eu queria ultrapassar era ficar mais tempo no banho, ou assistir televisão até mais tarde, ou não dormir pra ter mais tempo de brincar. Ser livre era sinônimo […]

E o verbo se fez rock!

Nas andanças da vida costumo dizer que a música é minha companheira mais acolhedora e fiel. Desde que me entendo por gente, meus ouvidos abraçam os mais exóticos gêneros musicais, mas, dentre todos, o vínculo com o rock continua sendo o mais intenso e presente. É algo até difícil de explicar a forma com que […]