O ensurdecedor silêncio das ditaduras

Os governos ditatoriais, especialmente os do século XX em diante, independente de suas localidades, sempre se mostraram muito misantrópicos, ou seja, revelaram extremo tédio ao gênero e às relações humanas, assim como aversão à convivência social. Para a manutenção da ordem e perpetuação do poder, tudo era válido. Entretanto, a sustentação de tais regimes antidemocráticos exigia um elemento primordial: o silêncio.

Esse substantivo masculino, originado do latim silentium, sempre muito associado à calmaria, remanso e serenidade, na verdade, nesses momentos autoritários, ganhava ares de inquietude. Onde o silêncio se fazia presente, havia algo a ser dito, mas indizível. Porém, para aqueles que ousavam romper o inexprimível, as consequência quase sempre eram terríveis.

Os instrumentos para manter o mutismo chegavam a centenas. Os preferidos: perseguições, prisões, torturas e censura. Todo tipo de manifestação contrária às ideias de quem governava com punhos de ferro precisava ser amordaçada. E muitos foram calados eternamente.

Dentre tantas formas de expressão contrárias ao ditame, a literatura desempenhou um papel muito relevante ao romper os muros das taciturnidades ditatoriais. Um número infindável de obras escapava aos olhos atentos e, ao mesmo tempo, indoutos, dos censores.

A ficção dizia muito do que a realidade não podia discorrer. E a “verdade” das mentiras revelava uma “verdade” profunda, que atemorizava a todos e esvaía pouco a pouco o resto de vida que existia.

Romances e poemas, que muitas vezes deixavam a função de entreter às sarjetas, preocupavam-se em propalar aquilo que estava encoberto pelos governos através das “mentiras oficiais”. As mazelas sociais e as repressões de um período sombrio apareciam nos enredos diluídas nas ações costumeiras dos personagens em seus cotidianos, nas categorizações sociais, nas frustrações que não eram nada além de representações do que todos os cidadãos encaravam em seu dia a dia.

Em um ambiente em que calar-se era questão de vida ou morte, a literatura transformou-se em porta para a expressão do silêncio. Nela, o não dito ganhava vida e nutria a sobrevivência às almas já perdidas em meio aos cemitérios que as ditaduras transformaram as sociedades.

O silêncio nas ditaduras era ensurdecedor e o que não era dito ocultava, e o que era anormal transfigurava-se em natural. E, assim, a vida seguia para muitos. Hoje, por mais imperfeitas que as relações democráticas possam ser, a literatura talvez tenha nos legado, embora não “ensinado” a todos, que é preferível o barulho das democracias ao dilacerante silêncio das ditaduras.

Resenha | Quase um Romance, de Megan Maxwell

Da mesma autora de Peça-me o que quiser, Quase um Romance narra a história de Rebeca, uma mulher que é bonita, mas sem os exageros idealizados dos romances, e que está muito bem obrigada cuidando da própria vida profissional. Ela definitivamente não está à procura do homem ideal — porém conhece Paul quando está procurando […]

5 lançamentos para adicionar aos desejados

Dumplin’, de Julie Murphy 300 páginas | Valentina | gênero chick lit | skoob, compre Tendo como base o empoderamento feminino, Dumplin’ apresenta-nos uma heroína que vivenciou o bullying e problemas de relacionamentos com a mãe, além de buscar a autoaceitação. O título do livro é uma analogia ao apelido que Willowdean Dickson recebeu de […]

Lugar Nenhum

Você já se sentiu vazio? Já sentiu que dentro de você existe um espaço oco, frio, onde a escuridão habita? Já tentou dar nome a esse lugar? A esse sentimento de falta? Falta de algo inexplicável, algo que não tem nome, nem forma, não conhecido por ninguém. Chamo esse lugar de Lugar Nenhum. Ele é […]

A hora em que os ruídos se deitam

Havia vozes e tilintares de pratos sendo postos. Mesclavam-se ao ruído suspenso formado pelos sons de dentro e de fora, na rua, de onde se percebiam buzinas, motores, gritos e xingamentos. O burburinho urbano lhes pressionava pela esquerda, de onde se metia pelas portas abertas, e pela direita, de onde a efervescente atividade culinária se […]

A falsa ideia do silêncio da morte

Seu nome: Adriana. Eternamente Nana. No meu íntimo, eternamente um símbolo do amor que recebi e vou compartilhar com todos que, comigo, estiverem. Ela foi a joia e a rocha. Era linda, e, se eu estimasse muitas descrições, falaria mais da destreza do seu sorriso e do olhar. Ela era de me asfixar a todo […]