Resenha | Abominação, de Gary Whitta

Abominação
Autor(a): Gary Whitta
Editora: DarkSide Books
Páginas: 320
Avaliação: 4.5
Capa: 5 Diagramação: 5 Conteúdo: 3.5

A fantasia medieval e o horror são duas áreas ricas em material literário. Bárbaros sanguinários como o cimério Conan, fruto da mente brilhante de Robert. E Howard, ou reis e cavaleiros nobres das histórias de cavalaria como o Rei Arthur, cujas aventuras (e desventuras) já foram adaptadas em infindáveis formas.

Lutas contra dragões, donzelas em perigo, feiticeiros malignos e espadas encantadas. Do outro lado as criaturas abissais, as formas inconcebíveis e aterrorizantes, deuses antigos como o Cthulhu de H.P. Lovecraft e seu terror cósmico inexorável, cuja própria existência é capaz de sobrepujar a sanidade de qualquer homem.

Abominação bebe de uma fonte de literatura medieval que ganhou destaque mais recentemente, uma que mistura história e ficção entrelaçando elementos imaginários e eventos reais, atendo-se com mais afinco aos costumes e práticas do período. Entretanto, a obra dá um passo além ao misturar esse “realismo medieval” com o horror das criaturas disformes e da existência de um mal cósmico que corrompe e consome as personagens.

A história se passa no século IX e é iniciada ainda no reinado de Alfredo, O Grande, governante de Wessex em meio às invasões nórdicas. Com o reino assolado pela guerra, Alfredo recebe uma oferta de ajuda de um dos bispos da Igreja Católica, Aethelred, que descobriu escritos antigos ensinando feitiços poderosos capazes de transformar homens em criaturas horrendas e praticamente incontroláveis de grande poder destrutivo. Alfredo começa a perceber a natureza horrenda dos experimentos de Aethelred tarde demais, o bispo se rebela e foge deixando destruição e terror ao longo do seu caminho.

É aí que conhecemos Wulfric, o protagonista da história. Ele ganhou fama como um guerreiro de habilidade inigualável e é um amigo próximo de Alfredo. Contudo, escolheu uma vida reclusa e humilde, longe da violência e da crueldade da guerra. Wulfric é convocado pelo rei que mostra a ele os horrores criados por Aethelred. O guerreiro junta antigos companheiros de guerra e parte na caçada do bispo ensandecido e suas criaturas infernais: as Abominações.

O livro apresenta uma estrutura narrativa sólida. É importante ressaltar o histórico do autor, Garry Whitta, roteirista de filmes de sucesso como Rogue One. Fica claro no livro essa estrutura de roteiro com um começo meio e fim, mocinhos em busca de redenção, vilões gananciosos e personagens secundários. Infelizmente isso também torna a história de certa forma previsível.

O primeiro ato acontece num ritmo acelerado e tem um ótimo desenrolar. O segundo porém fica um pouco arrastado e com pouco a acrescentar até o desfecho do livro. Seja como for, Whitta é capaz de amarrar a história de maneira satisfatória e apresentar uma escrita fluida e agradável. Há bastante cuidado também com o contexto histórico e as referências utilizadas.

Outro destaque positivo é o incrível trabalho de edição. Uma capa muitíssimo bem trabalhada e com uma arte excelente. O interior do livro também conta com pequenos detalhes como páginas manchadas de sangue.
Abominação é uma boa leitura para aqueles que desejam lutas de espada, cavaleiros caídos em busca de redenção e horrores além da compreensão humana.


Por Lucas Nóbrega Lopes
exclusivamente para Versificados

Deixe seu comentário

* campos requeridos

Comentar via Facebook