[Resenha] Bad Things, de R.K. Lilley

Bad Things
Autor(a): R.K. Lilley
Editora: Kindle
Páginas: 336
Avaliação: 3
Capa: 2.5 Diagramação: 3.5 Conteúdo: 3

Uma história repleta de altos e baixos.

É difícil falar sobre Bad Things pelo simples fato de que me faltam palavras para explicar como ele pode ser incrivelmente bom e assustadoramente ruim ao mesmo tempo. Confuso? Totalmente. Mas tentarei explicar.

Danika mora na casa de Bev, que é casada com Jerry, com quem tem dois filhos. Danika trabalha com todos os serviços da casa e cuidando dos dois meninos, um de 6 e outro de 8 anos. Juntos, acabam sendo uma grande família.

Isso mesmo quando Jerry e Bev não estão necessariamente juntos (eles não dormem no mesmo quarto e a relação está um tanto abalada). Eis que Jerry aparece com Tristan, que dormirá no sofá por apenas uma semana.

Acontece que Jerry faz isso constantemente, sempre tentando provar que vai descobrir a próxima banda de sucesso. Para não brigar novamente com Bev, eles acabam decidindo falar que Tristan é um amigo de longa data de Danika.

Claro que isso poderia funcionar, e até funciona, entretanto a atração que um sente pelo outro é inegável. R.K. Lilley aposta em um casal que promete e realmente tenta ser amigo e só acaba tendo um relacionamento quando não há mais como fugir da atração.

O ponto positivo é que Bad Things tem muitas cenas quentes bem escritas. A história em si também se desenvolve bem e é repleta de pormenores que pode te fazer rir, ficar ansioso ou chorar.

R.K. Lilley tem o dom da escrita, então a narrativa é envolvente do início ao fim. Todo momento queremos saber como está a relação, o que vai acontecer, o que vai ser determinante.

Por outro lado, em certos momentos as coisas acontecem de forma extremamente rápida. Menos de um dia e já falar de sentimentos como amizade forte? Não faz muito sentido.

Ela poderia ter se apoiado em impressões – a de que eles seriam bons amigos, a de que Tristan era um bom cara (ainda que galinha) – mas não explorar como se fossem fatos.

Outros momentos ela acaba enrolando. Talvez para conseguir fazer a transição de um problema para outro, sem deixar tudo ficar absurdamente confuso, mas acaba sendo um capítulo que não acrescenta muito à história.

Quanto aos detalhes interessantíssimos, ela poderia ter explorado mais e feito com que o leitor ficasse envolvido ainda mais com a história. Alguns diriam que não, mas acho que, nesse caso, seria melhor ter escrito dois livros, cada um com um foco.

Ainda assim, Bad Things é um livro interessante e para quem gosta de hots, até recomendo. Para fãs de uma história incrível, bom, ele tem muitos pontos que precisariam ser melhorados antes de poder ser considerado um sucesso.

Deixe seu comentário

* campos requeridos

Comentar via Facebook

2 comentários

  1. Carla em

    Muito bem dito! Quando li esse livro, lembro que também tive impressões similares. E falaram tanto dele que achei que fosse algo muito maior do que o que realmente é… por isso me decepcionei um pouco.

    Achei a história mto irreal e forçada as vezes. Sentimento mto intensos e um espaço de tempo curto. E isso pq eles levaram um tempo até se relacionarem mesmo.

    O seguinte é do mesmo jeito. Ai eu desisti do 3º. hahahaha

    Responder
    1. Camille Labanca em

      Nem me empolguei para ler o segundo ):

      Responder