[Resenha] Black Para Sempre, de Sandi Lynn

Black Para Sempre
Autor(a): Sandi Lynn
Editora: Valentina
Páginas: 256
Avaliação: 4.5
Capa: 5 Diagramação: 4.5 Conteúdo: 4

Aquele momento no qual você precisa reler o livro para lembrar da história

Li Black Para Sempre pela primeira vez em inglês, no kindle. Parecia interessante, apesar da capa americana ser super simples e não me agradar tanto assim: e gostei. Não foi o melhor livro que já li na vida, mas sabe aquele livro que tem começo, meio e fim de forma clara, apaixonante?

Ellery acaba de ser abandonada por Kyle, o cara com quem jurou que ia casar, montar uma família e ser feliz para sempre. Só que o “felizes para sempre” foi deixado de lado porque ele precisava de espaço, então fez as malas e foi.

Acontece que até então a vida dela não tinha sido incrível. Problemas com a mãe? Checado. Problemas com o pai? Ele era alcoólatra, então duplamente checado. Problema consigo mesma? Sim, doença não exatamente escolhe em quem vai aparecer. Ela queria um pouco de paz.

Então, Peyton, melhor amiga de Ellery, decide que é o momento perfeito para tirá-la da espécie de “ressaca” pós-término e a leva ao Clube S. É lá que ela encontra Connor, que além de muito sexy e lindo, está completamente bêbado.

Como boa moça, leva-o para casa e ela até iria embora se ele não estivesse vomitando tanto. Lembram do pai? Pois é, a experiência com ele a fez ficar com Connor e ter certeza de que ele não morreria afogado no próprio vômito. Quando ele acorda, no dia seguinte, é que a história realmente começa.

Gosto de Ellery porque em nenhum momento ela é fraca. Todos nós temos preocupações, inquietações e queremos nos voltar para nós mesmos, mas ela não se acomoda em ficar chorando e reclamando. Sua vida já foi difícil o suficiente, está mais que na hora de vivê-la.

Connor, de outro lado, é controlador, sensual (e sexual) e é claro que se encanta por ela. Depois é claro que se apaixona. E é óbvio que vai fazer o impossível para nunca deixá-la ir – e como não dar suspiros diante de suas atitudes?

Particularmente gosto de ver as muralhas erguidas caindo, gosto de como a história se desenvolve e gosto do final. O trabalho da Valentina em cima do romance ficou super bem feito, e a capa, para mim, tem muito mais a ver com a história e faz muito mais sentido.

Claro que muitas coisas poderiam ter saído do clichê, mas… Clarice Lispector já não dizia que são as imperfeições que nos tornam perfeitos? Talvez este livro não agradasse tanto se fosse escrito de outra forma. Definitivamente, recomendo.

Deixe seu comentário

* campos requeridos

Comentar via Facebook