[Resenha] Chama Imortal, de Valentine Cirano

Chama Imortal
Autor(a): Valentine Cirano
Editora: Reflexão
Páginas: 340
Avaliação: 2.8
Capa: 2 Diagramação: 2.5 Conteúdo: 4

Incrível! Valentine Cirano possui uma narrativa única e muito bem feita. O livro conta com alguns poucos erros na organização de frases ou aquelas famosas letrinhas extras, mas nada que prejudique a leitura.

Uma escritora conhecida – eu vergonhosamente não lembro exatamente qual – disse que um bom escritor é aquele que não exagera nas informações, nem enrola o leitor. Ou seja, é aquele que coloca eu seu livro as informações que são obrigatórias para o entendimento total, e não acrescentam outras que são apenas “enfeites” para a literatura ficar “bonita”.

Cirano não cai neste erro. Seu livro conta a história de muitos e longos séculos, mas em momento algum se torna chato ou monótono. Os anos passam rapidamente, mas está claro que não haveria informação útil entre eles – quando há, tem-se um capítulo exclusivo para tal informação.

Logo, a história de Chama Imortal não é apressada, nem lenta – no ritmo adequado. Chamou-me a atenção o fato da linguagem não usual não obter erros de concordância. É totalmente adequada à época, como era de se esperar, usada em todo o livro. Gostei também de ver em um livro brasileiro informações como o descobrimento da América, Egito em seus anos de glória e o Império Romano.

O livro ainda propõe uma reflexão. Muitos (tipo eu) acham o tempo que possuem na Terra extremamente limitado – o que são no máximo uns cem anos? Acho pouco e, assim como uma das personagens, sou do tipo que teme a morte.

Não sei se daria tudo pela imortalidade, mas a personagem deu – com todos os contras que devem ser pensados anteriormente à escolha. Seria a imortalidade um dom ou uma maldição? O tempo que temos aqui deve ser aproveitado como se cada dia fosse o último? Temos muito a desenvolver, nos falta tempo ou motivação? São perguntas que o livro acaba respondendo de maneira brilhante.