[Resenha] Crescendo, de Becca Fitzpatrick

Crescendo
Autor(a): Becca Fitzpatrick
Editora: Intrínseca
Páginas: 288
Avaliação: 4
Capa: 4 Diagramação: 3.5 Conteúdo: 4.5

Nora está feliz com o relacionamento que tem com Patch, seu anjo da guarda, mesmo com todas as complicações que esse traz. Porém, um “eu te amo” dito fora de hora, ou, melhor dizendo, dito rápido demais parece marcar o começo de uma mudança no namoro entre eles.

Primeiramente não houve resposta da parte dele. Em segundo lugar ele seguiu seu caminho para ir à casa de Marcie Millar. O fato dela ser mulher já seria complicado o suficiente para explicar, mas, além disso, ela é uma exibicionista e inconveniente. Não havia necessidade de trazer como assunto a morte do pai de Nora, por exemplo, não é? Para piorar ainda mais, Patch está passando mais tempo com ela, dando-lhe caronas e protegendo-a.

Como se ver o namorado passar mais tempo com a garota que ela mais desgosta não fosse o suficiente, imagens de seu pai começam a aparecer. Seriam assombrações? Estaria ele vivo? Ela não sabe.

E pretende juntar as peças para descobrir o que exatamente aconteceu quando ele partiu de Portland para não mais voltar. Colocando-se em mais problemas que o esperado, confusa, triste e frustada, Nora acaba tendo que procurar as respostas por conta própria. O que não é tão assustador já que, bom, ela tem um anjo da guarda, não tem?

Um anjo da guarda que aparece também em sonhos. Um anjo da guarda em que se parece impossível confiar com certeza. Um anjo da guarda que, não importando se Scott, um amigo de infância (e Nefilin) que é bonito e tem lá seu charme, ainda é e provavelmente sempre será amado por ela.

Becca Fitzpatrick surpreende a partir do meio de Crescendo, deixando o começo um tanto monótono e sem muito nexo. Poucas explicações, para muita ações, dizendo em palavras curtas.

A história cai em certos pontos pela previsibilidade, e ganha em outros devido ao mistério que cria em torno de situações secundárias. Outro ponto fraco é que, para os leitores do gênero, semelhanças com demais livros são inevitáveis e tiram um pouco da originalidade do livro.

Por outro lado, a história prende a atenção e quando se começa não se quer parar. Afinal, para chegar até a descoberta dos mistérios criados em toda a trama, só lendo para ter certeza e ver o que já foi imaginado comprovado.

O que me chama atenção é que, mesmo tendo convivido mais com Scott, Nora e Patch criam laços mais fortes usando outros meios, aproximando-se emocionalmente e desenvolvendo a história que, no fim, surpreende qualquer um.