Resenha | Dez Formas de Fazer um Coração se Derreter, de Sarah MacLean

Dez Formas De Fazer Um Coração Se Derreter
Autor(a): Sarah MacLean
Editora: Arqueiro
Páginas: 352
Avaliação: 5
Capa: 5 Diagramação: 5 Conteúdo: 5

Sarah MacLean conseguiu me conquistar de novo.

Nove Regras a Ignorar Antes de Se Apaixonar foi amor supremo desde as primeiras páginas e me deixou tão empolgada com a série Os Números Do Amor que logo quis – e peguei para ler – Dez Formas de Fazer um Coração se Derreter. A história é de Nicholas St. John e Isabel, filha de um conde que fez tudo para deixar a família em péssima situação.

Irmão gêmeo do marquês de Ralston, Nicholas (ou simplesmente Nick) tem uma história. Um fraco por mulheres fortes mas que precisam de alguma ajuda. Considerando o ano e a sociedade na qual vivem, é claro que ele aparece para “salvar” Isabel de uma situação que não tinha muito como dar certo.

Sem dinheiro, com uma casa repleta de mulheres e um irmão de 10 anos que se prepara para ser conde e assumir as funções e responsabilidades da família, Isabel está sem escolha. Ela pode se casar com um homem rico o suficiente para manter tudo funcionando do jeito que ela quer – mas sem descobrir seus segredos – ou pode vender as estátuas que tanto ama.

Mas casamento por arranjo numa foi uma opção real. Sobram, então, as estátuas. E quando Nick chega à cidade e parece o homem perfeito para avaliá-las e vendê-las, Isabel acredita que está no caminho certo. Até, é claro, as situações colocarem os dois, sozinhos, frente a frente. O desejo é palpável. O beijo é consequência. Os segredos que ambos escondem… Bem, eles podem destruir o relacionamento criado aos poucos.

Ainda que, em questão de tempo da narrativa, a história se passe em poucos dias, Dez Formas de Fazer um Coração se Derreter não é apressado. Não sentimos que o romance está sendo forçado para cima de nós, ele acontece naturalmente: numa conversa, num beijo, numa irritação, numa atitude. O interesse inicial é óbvio, as dúvidas são naturais, mas o desenvolvimento nos faz acreditar que, sim, Nick e Isabel foram feitos um para o outro.

A dinâmica é um pouco menos intensa que a do primeiro volume, nem por isso é menos boa. A escrita de Sarah MacLean prende do início ao fim, com cenas muito boas que só uma criança de 10 anos pode proporcionar. O livro não deixa pontas soltas e, ainda que a questão do sentimento seja um pouco arrastada (por que não admitem logo que se gostam?), é necessária para que a história flua da forma mais tranquila possível.

Gosto do quanto Isabel consegue ser independente, ainda que haja uma óbvia colocação como ela precisando de apoio masculino para que seus planos funcionem. O que, na verdade, é pertinente à época na qual o livro se passa. Ela é decidida, inteligente e boa no que faz, e não está disposta a abrir mão de nada disso em nome de um sentimento.

Nick, por sua vez, é compreensivo. Ainda que ele tenha uma função óbvia – levar uma das mulheres de volta à Londres -, ele é capaz de entender o que há de certo e errado naquela confusão e pensar em estratégias que funcionem para ambos os lados. A vontade dele de estar com ela é o que move a narrativa, tornando suas cenas muito mais interessantes do que as que focam apenas nela – pelo menos no que diz respeito ao romance.

Gosto do final e a edição da Arqueiro está incrível. Adoro essas capas (muito melhores do que essas capas divididas em mulher/paisagem) e encontrei poucos erros dentro do livro. A diagramação também foi muito bem feita e facilita a leitura. Sem dúvida, esta é uma das melhores séries da autora – e mal posso esperar para ler o próximo.

Já leu a resenha do primeiro volume da série Os Números do Amor?

Livro Nove Regras a Ignorar Antes de Se Apaixonar

Deixe seu comentário

* campos requeridos

Comentar via Facebook