Resenha | Endgame – O Chamado, de James Frey

Endgame - O Chamado
Autor(a): James Frey
Editora: Intrínseca
Páginas: 504
Avaliação: 4.5
Capa: 5 Diagramação: 5 Conteúdo: 3.5

Quando soube de Endgame – O Chamado, imaginei uma coisa. Quando finalmente tive a oportunidade de pegá-lo e começar a ler, pude perceber que não tinha nenhuma semelhança com o que tinha imaginado! Mas, vou dizer: a surpresa não foi nada ruim.

A título de curiosidade, aviso logo que a série é escrita por James Frey, fundador da Full Fathom Five, empresa responsável pela série Os Legados de Lorien (sim, essa série mesmo!), junto a a Nils Johnson-Shelton, que escreveu A Torre Invisível, volume um de Crônicas de Outro Mundo. Já imaginou? Então veja:

“…se não alimentarmos a raiva, não sentiremos raiva. Tristeza e frustração, e até tragédias, são inevitáveis, mas isso não significa que a felicidade não possa ser alcançada por todos nós. Meu segredo é que escolho ser a pessoa que quero ser. […] O futuro ainda não foi escrito, e podemos fazer dele o que quisermos.”

Entendeu, né? Endgame – O Chamado começa pegando fogo (rá!). Trocadilhos à parte, ele começa relatando 12 meteoros caindo sobre diferentes lugares do mundo. Se isso não fosse impactante o suficiente, significa também o início do jogo, algo esperado por muitas pessoas por muitos (muitos!) anos.

Calma, vou explicar. Tai meteoros não são naturais e ponto, eles são a grande abertura de uma corrida mortal. Basicamente, iniciam o Endgame. É um recado para o membro escolhido de cada linhagem que deu início ao povoamento da Terra para que eles larguem tudo e comecem a procurar as três chaves que estão espalhadas pelo mundo.

A linhagem que encontrar as três chaves, sobrevive. Simples. Sendo que cada linhagem tem um jogador, necessariamente entre 13 e 20 anos e todos são extremamente preparados para a corrida.

Alguns aguardam ansiosamente sua vez – querem que aconteça com eles, não querem chegar aos 20 anos e ter que torcer para que outra pessoa carregue o “fardo”. Outros torcem para não ter que carregar o peso nas costas.

Eles não são pessoas “especiais”, não mais que o essencial. São como você e eu. Nascidos nos Estados Unidos, Oriente Médio, Europa, América do Sul, Ásia. Eles têm personalidades e atitudes diferentes. Fica claro a habilidades dos autores em descrever cada um deles com suas peculiaridades.

Cada capítulo é narrado por um jogador, apresentando, é claro, sua visão do que ocorreu. Ainda assim, a história evolui, não fica repetitiva, só contada de pontos de vistas diferentes, então muito dinâmica.

Ao mesmo tempo, é inegável que essa alteração na narração, junto a característica de James Frey de escrever frases curtas, rápidas, faz com que o leitor tenha maior dificuldade a criar empatia com as personagens: tudo é muito objetivo. Sem perda de tempo, extremamente eletrizante e sangrento.

Ah, não venham dizer que não avisei. Nenhum dos dois autores tem pena, nem do leitor nem das personagens. Endgame – O Chamado convoca para quase um Jogos Vorazes sem regras, no qual o vencedor não conquista só sua sobrevivência, mas a de toda sua linhagem.

Não é uma história meiga e cativante. As descrições são, muitas vezes, brutais – mas, novamente, por ser tudo rápido, não são tão impactantes quanto poderiam ser. Acaba sendo, no final das contas, equilibrado nesse sentido.

Acabaram por me perguntar se consegui desvendar um enigma que os autores propuseram, e sequer sabia da proposta, então nem procurei (muito menos desvendei) nada. Para escrever a resenha cheguei a dar uma procurada, descobri que o livro é cheio de pistas…

Descobri que estas pistas levarão a um prêmio de US$500 mil para o primeiro leitor que resolver o mistério! Também vi que muitos estão achando muito parecido com Jogos Vorazes. Existe sim uma semelhança, mas não dá para se incomodar com elas.

De qualquer forma, a edição da Intrínseca está incrível! O livro é cheio de imagens e páginas decoradas. Não achei nenhum problema de revisão e a capa dourada? Lindíssima!

Indico muito mesmo a leitura para quem adora uma fantasia, com misto de alienígenas e muita ação com aventura. Com direito a morte, claro, porque – avisei – esse livro tem.

Obs da Camille, a que se empolga com as resenhas e mete o dedo pra comentar o que achou também: A primeira obsevação sobre Jogos Vorazes foi minha hihihi Mas, ainda que tenha lá seus lados parecidos, pelo amor de Deus, LEIAM.


Por Laila Ribeiro
exclusivamente para Versificados

Deixe seu comentário

* campos requeridos

Comentar via Facebook