[Resenha] Isla e o Final Feliz, de Stephanie Perkins

Isla e o Final Feliz
Autor(a): Stephanie Perkins
Editora: Intrínseca
Páginas: 304
Avaliação: 4.8
Capa: 5 Diagramação: 5 Conteúdo: 4.5

Fofo, como todos os romances de Stephanie Perkins são

Isla é irmã do meio, cujo melhor amigo autista está sempre procurando o Melhor Caminho, e está apaixonada há três anos pelo mesmo garoto. No último ano do ensino médio, ela descobre que o seu novo quarto é o mesmo que, no ano anterior, foi o dele.

Ele é Josh, cujo pai está concorrendo ao senado e a mãe cuida para que tudo saia em perfeitas condições para a eleição. Ele terminou com a ex-namorada há pouco tempo e está criando quadrinhos que contam sua própria história.

Eles se encontram numa lanchonete. Isla está sob efeito de anestésicos, então seu filtro está longe de funcionar direito. É nesse primeiro encontro honesto que a possibilidade de um futuro juntos surge.

Isla e o Final Feliz foi, para mim, o mais fraco dos três romances de Stephanie Perkins. Mas tal classificação não é problemática quando os outros dois foram simplesmente maravilhosos. Acontece que Josh e Isla não tiveram, em mim, o mesmo efeito que os outros dois casais.

Ainda que seja difícil não se importar com o garoto que desenha maravilhas e a menina que está aprendendo a ser ela mesma. É interessante acompanhar o crescimento de Isla, ver seus erros e perceber seus acertos – e me identifiquei com o fato de ela precisar aprender a se arriscar.

A escrita da autora não desapontou. A narrativa simplesmente flui e ela se prende ao que realmente importa, o restante faz parte de seu dia a dia, mas não é o foco principal. Apesar de, em tese, este ser o último volume, claramente a autora conseguiria aproveitar algumas personagens para outros romances (e, de certa forma, espero que as aproveite).

Os capítulos finais foram realmente excelentes, quando todas as situações estão sendo resolvidas e as personagens dos livros anteriores aparecem para contribuir com o “final feliz” – e como não sorrir com a felicidade delas, soltar um “que fofo” e esperar por mais?

O fato é que Isla e o Final Feliz tem tudo de melhor da autora e isso compensa qualquer parte que poderia ter sido um pouco mais elaborada, encurtada ou desenvolvida (porque, sim, achei esses três elementos na história). Com certeza, continuarei esperando por outros lançamentos, tão doida para lê-los quanto antes.

Deixe seu comentário

* campos requeridos

Comentar via Facebook