Resenha | Ligeiramente Pecaminosos, de Mary Balogh

Ligeiramente Pecaminosos
Autor(a): Mary Balogh
Editora: Arqueiro
Páginas: 272
Avaliação: 4.3
Capa: 3 Diagramação: 5 Conteúdo: 5

Apenas por existir, Ligeiramente Pecaminosos por si só já é um spoiler. No livro anterior, Ligeiramente Seduzidos, descobrimos que Aleyne Bedwyn foi dado como morto durante a Batalha de Waterloo. Porém, Ligeiramente Pecaminosos é nada menos do que a história desse personagem, o quinto dos irmãos Bedwyn a ter sua história narrada por Mary Balogh.

Dessa forma, neste quinto volume da série, o leitor que vem acompanhando livro por livro dos irmãos Bedwyn tem finalmente a oportunidade de saber o que de fato aconteceu com Aleyne durante a Batalha – por mais que o livro anterior tenha deixado um suspense no ar sobre o que viria a seguir.

Não pretendo me estender muito mais do que isso ao falar do que o livro se trata, pois já estaria passando muitos spoilers. O que o leitor precisa saber a priori é apenas que terá conhecimento do que aconteceu com o quinto irmão, além de também (como de costume) acompanhar sua história de amor.

Assim como nos livros anteriores, Mary Balogh capta a atenção do leitor com sua escrita simples, porém muito envolvente e cativante. Ela segue o estilo de narrativa dos livros anteriores, apresentando fatores que existiam na sociedade londrina do século XIX, sempre quebrando os paradigmas de hoje que já existiam na época. Dessa vez, ela vai ainda mais adiante ao apresentar uma mocinha que está imersa em um mundo de pecados, já que ela vive em um bordel.

Toda a história de pano de fundo é apresentada e desenvolvida corretamente, de modo que não nos sentimos perdidos ao longo da leitura. Também o livro apresenta diversos personagens novos, que nos conquistam logo a princípio.

Acredito realmente que os leitores da série se apaixonarão por mais essa nova história – e por Alleyne, claro! Ele é, oficialmente, o meu Bedwyn favorito do momento. Agora sigo aguardando pela publicação do livro de Wulfric, o Duque com coração de pedra.

Deixe seu comentário

* campos requeridos

Comentar via Facebook