Resenha | No Limiar do Desejo, de Eve Berlin

No Limite do Desejo
Autor(a): Eve Berlin
Editora: LeYa
Páginas: 224
Avaliação: 4.2
Capa: 5 Diagramação: 4 Conteúdo: 3.5

Kara não quer relacionamentos sérios por um bom tempo. Depois que Jack terminou com ela, ela tinha certeza que confiar de novo não seria tão fácil assim. Quem ia imaginar que aquele segredo ia fazer com que ele saísse correndo para longe dela?

Todavia, o destino não estava exatamente a seu favor dessa vez. Encontrar Dante na festa da sua melhor amiga, depois de tantos anos, foi uma surpresa de fazer as pernas tremerem. Ele era uma versão mais velha e masculina do homem que foi seu herói nos tempos de escola – além de personagem de sonhos um tanto obscuros.

Ela até poderia fingir que ele estar aparentemente solteiro não era nada demais, mas era o sensualismo em pessoa – como ela podia ignorar isso? Para Dante, a mulher que o fazia ter pensamentos nada puros em sua adolescência tinha crescido. Ele torcia para ela estar solteira.

Uma troca de palavras com pernas encostando e um toque de mãos foi capaz de explicar toda a química do mundo. Eles eram adultos, sabiam diferenciar desejo de qualquer outra coisa. Aquilo com certeza era desejo puro.

Eve Berlin volta, depois de “Luxúria”, para nos deixar encantados pela história do melhor amigo de Alex: Dante. Dessa vez, não temos uma mulher sem nenhum grande interesse no jogo dominador – submisso. Muito pelo contrário: era completa submissão por parte dela, uma fantasia nunca antes realizada.

Dante sabia como manter as coisas em controle, permitindo que ela não as tivesse por alguns momentos preciosos. É assim que uma relação a princípio totalmente carnal se inicia. Claro que, com ambos se sentindo tão a vontade um com o outro, a história continuaria para além disso.

No Limiar do Desejo mantém a característica de ser um livro que prende, que nos faz querer deixar de ler só quando terminamos. Ainda que não nos apaixonemos perdidamente por Dante, reconhecemos (e, de certa forma, até admiramos) sua independência, sensualidade e seu jeito carinhoso.

Os diálogos não são dos melhores, mas não chegam a quebrar nenhum clima. Apesar das cenas de sexo – bem descritivas – serem muito frequentes, não damos tanta falta de um plano de fundo mais elaborado: o que já existe nos basta e mantém a história em seu ritmo.

Uma das características que mais gosto na autora é o fato de que ela não se apega a clichês para enrolar mais a leitura e as situações vividas. Ela expõe os fatos e os resolve, poupando páginas e páginas que mesmo que nos encantasse, seriam dispensáveis.

É impossível não gostar da leitura, de seus personagem e da forma de escrever da autora. Nas horas vagas, é um livro que vai tomar seu tempo, tirar todo o tédio e fazer em vários momentos você sentir o friozinho na barriga.

Deixe seu comentário

* campos requeridos

Comentar via Facebook