[Resenha] O Pequeno Príncipe, de Antoine de Saint-Exupéry

O Pequeno Príncipe
Autor(a): Antoine de Saint-Exupéry
Editora: Geração Editorial
Páginas: 160
Avaliação: 5
Capa: 5 Diagramação: 5 Conteúdo: 5

De fato, um inegável clássico da humanidade

Após ter gravado o primeiro vídeo para o canal do Beletristas, decidi que era o grande momento. Peguei o livro e devorei O Pequeno Príncipe e seus pequenos grandes mundos. Não leu ainda? Então vem comigo.

Poderia contar um pouco da história do pequeno príncipe, mas, sinceramente, acho que perderia a graça. Independente de julgamentos, eu conhecia trechos e as figuras, sabia coisa aqui e acolá, mas a história mesmo? Não. E foi bom não saber nada para iniciar a leitura.

Isso porque fui encontrando minha vida inteira na narrativa. Tenho certeza de que você também vai passar por isso, já que o clássico está em nossas conversas mais do que você pode imaginar (ainda mais se, como eu, tem um grande interesse por literatura).

Mais que o livro em si, que por si só já dispensa todo e qualquer elogio – pois “O Pequeno Príncipe” e “Perfeição” deveriam ser sinônimos -, a parte final conta com uma breve história sobre o autor, algo particularmente interessante.

Gostei de saber que Antoine de Saint-Exupéry tinha uma personalidade forte – tenho uma queda por pessoas assim, ainda que isso sempre gere discussões com elas – e que jamais se permitiu desistir, mesmo após tantos acidentes que praticamente o incapacitaram. Pelo menos tentaram.

Ele participou ativamente da Segunda Guerra Mundial e morreu ao fazer seu último vôo (ele era piloto) em direção à África. Seu avião foi abatido por outro, alemão. Quando descobriram, anos depois, o homem responsável pelo fato se lamentou: admitiu ter lido e acompanhar de perto todos os livros de Antoine.

Por fim, é impossível não falar também da perfeição da edição de luxo da Geração Editorial. Se você, como eu, achou que ela custaria pra lá de cara e que sairia com lágrimas nos olhos pelo dinheiro gasto mas com um sorriso de felicidade, relaxa: o valor é baixo e o choro, se acontecer, será só de felicidade.

Deixe seu comentário

* campos requeridos

Comentar via Facebook

1 comentário

  1. Jessica Fernandes em

    Ahhhhh esse é meu segundo livro de cabeceira, só perde pra Brumas de Avalon.

    Um dos primeiros livros que li na minha vida, e na epoca não acrescentou nada, anos mais tarde e põe anos nisso (mais de 10) quando reli simplesmente me apaixonei. Leitura que recomendo a todos.

    Amo tanto que já comecei a ler ele pra minha filhinha de um ano.

    Responder