Resenha | Os 27 Crushes de Molly, de Becky Albertalli

Os 27 Crushes de Molly
Autor(a): Becky Albertalli
Editora: Intrínseca
Páginas: 320
Avaliação: 5
Capa: 5 Diagramação: 5 Conteúdo: 5

Existe amor em qualquer escrita de Becky Albertalli? (a) Sim. (b) Com certeza. (c) Serão os melhores livros do gênero que você vai encontrar. (x) Todas as opções anteriores. Após surpreender a todos com uma escrita leve, mas não menos relevante em Simon vs A Agenda Homo-Sapiens, a autora volta para Os 27 Crushes de Molly.

Já imaginaram ter 26 crushes, sem a oportunidade de beijar algum deles? Bom, essa é a vida de Molly Perkin-Suso, uma garota imaginativa, que ama decoração e se apaixona facilmente. Seus dias são rotinas monótonas que vão de encontro com as imensas possibilidades que idealiza com pessoas com quem mal conversa — e, pra ela, tudo bem.

Molly não acredita que qualquer um dos seus crushes poderia retornar o sentimento. Para ela, o fato de ser gorda determina como as pessoas a veem e o que pensam sobre ela. E é claro que não é só isso. Como (quase) qualquer pessoa, Molly carrega uma gama de inseguranças que definem como ela se vê.

O problema é que, em vez de tentar se aceitar e se firmar em si mesma, ela toma sua insegurança como verdade absoluta e permite que isso influencie absolutamente todos os relacionamentos que ela venha a ter — seja de amizade, namoro ou familiar.

É quando surge o 27º crush que a protagonista pode começar a ver as coisas de um jeito um pouco diferente. Como qualquer processo, este é lento, com recaídas e muitos embates. Para aprender o quanto vale, Molly precisará de tempo, paciência e apoio.

Assim como o primeiro livro da autora, Os 27 Crushes de Molly é um livro que precisa ser descrito como fofo. A escrita leve, voltada para o público jovem adulto, encanta e faz com que a narrativa simplesmente flua. Não sentimos as páginas passando, e ficamos curiosos sobre os futuros acontecimentos.

Reid é uma coisa à parte. Literalmente. Diferente dos outros crushes, ele é real e presente na vida da protagonista — e como não se identificar com alguém que gosta de Guerra dos Tronos? É bacana como sua relação com Molly se desenvolve, sem que seja apressado, mas constante.

Mais relevante que os romances, entretanto, é como a relação de Molly com Cassie, sua irmã, se desenvolve. Quando Cassie começa a namorar, e ocorre um natural afastamento, é hora de Molly entender que seu porto seguro tem que ser, em primeiro lugar, você mesma — e que tudo bem duas pessoas terem vidas distintas, isso se torna pouco relevante quando elas se amam e querem se fazer presentes na vida uma da outra.

Simples, muito bem desenvolvido e escrito, Os 27 Crushes de Molly entrou na nossa lista de favoritos.

Fica, tem sorteio!

Deixe seu comentário

* campos requeridos

Comentar via Facebook