[Resenha] Para Todos os Garotos que Já Amei, de Jenny Han

Para Todos os Garotos que Já Amei
Autor(a): Jenny Han
Editora: Intrínseca
Páginas: 320
Avaliação: 5
Capa: 5 Diagramação: 5 Conteúdo: 5

Querida Jenny Han,

Você não é um garoto e eu nunca te amei dessa forma (principalmente porque você não é um garoto e, mesmo se fosse, quais seriam as chances de você me ver?). Entretanto, preciso dizer que há muito tempo não sinto um pingo de vontade de escrever meia linha de um conto e, assim que terminei de ler seu livro, quis escrever um conto inteiro.

É isso que a série Verão fez comigo e foi isso que Para Todos os Garotos que Já Amei despertou. Mais uma vez: você conseguiu criar uma história simples, mas maravilhosa. E aquele final? Perfeito o suficiente para me deixar insatisfeita e louca pelo próximo volume.

Estou torcendo para a Intrínseca resolver que até a Bienal é uma época maravilhosa para lançá-lo. Não tenho esperanças para isso, mas não custa nada sonhar, certo? Foi o que você me ensinou com suas personagens.

Por sinal, como consegue elaborá-las tão maravilhosamente bem? Lara Jean me conquistou nas primeiras páginas, com seu humor de irmã do meio e suas loucuras ocasionais. Acho que me identifiquei com ela, para além de cartas românticas que, na realidade, encerram relacionamentos.

Ela é original e o trio Song não poderia ser mais incrível. Quer dizer, o que é a Kitty? Engraçada, guardadora de mágoa profissional e espontânea – a verdade é que teria ter um pouco mais dela em mim. E Margot? Claramente ela se sente responsável por todos da família, uma coisa que, vamos combinar, não deveria acontecer sendo tão nova.

Entretanto, preciso confessar: quando Margot volta para o Natal e Ano Novo, fiquei com leve receio. Ela pode ser a irmã mais velha, a mais organizada e imagino como poderia ser se o romance fosse dela (aposto que seria interessante), mas é irritante ela querer controlar tudo daquele jeito.

E os garotos? Vou ser sincera aqui: precisei correr para saber o final do segundo livro apenas para o coração acalmar a respeito de com quem Lara Jean vai ficar. Esse tipo de coisa é importante para mim, vai ver é meu lado romântico incurável. Vai ver só gosto de crer em finais felizes.

Josh é um amor de pessoa, ele é protetor e é fofo de ver o quanto ele se importa com as três irmãs. Apesar de não ter gostado de uma ou outra atitude (você sabe do que estou falando!), como não ficar suspirando pensando nele?

Peter, por outro lado, é mais realístico nesse sentido. Conhecemos seus defeitos, e não a idealização de Lara Jean, desde o início. E, mesmo com todos os inúmeros defeitos, como não rir de suas piadinhas e soltar aquele “own” quando ele e Kitty interagem?

Adorei a construção das personagens, de suas histórias e de como desenvolveu a narrativa. Assim como em Verão, que foi mais intenso que Para Todos os Garotos que Já Amei, consegui ler de uma tacada só todo o livro porque não era viável pausar a leitura. Mais uma vez, vida e morte se encontram daquele jeito especial.

Mas ei, não chorei dessa vez, ok? Felizmente, ou infelizmente, não sei dizer, encerrei a leitura e meu coração ficou com um vazio emocionado. Acho que esta é uma das poucas vezes que realmente preciso do próximo volume de um livro, desesperadamente.

Com carinho, eu.

Deixe seu comentário

* campos requeridos

Comentar via Facebook

2 comentários

  1. Jéssica Lim em

    Oi oi
    Que blog lindo, amei tudo! Desde sua escrita ao layout! Parabéns e sucessos!

    Agora falando do livro rs
    Este livro esta na minha lista de desejados, por mais que eu não goste de romance a história desse me chamou muito atenção, pois vi que saiu um pouco da “zona de conforto” de outros livros e isso pra eu é bom!
    E que ótimo que gostou dele!

    Beijoos

    Responder
    1. Camille Labanca em

      Ele é maravilhoso <333 Recomendo muito!

      Responder