[Resenha] Redoma, de Meg Wolitzer

Redoma
Autor(a): Meg Wolitzer
Editora: Globo
Páginas: 287
Avaliação: 4.8
Capa: 5 Diagramação: 5 Conteúdo: 4.5

Único, apaixonante e fácil de ler.

Redoma se inicia com foco em Jam, uma menina que passa por uma situação tão traumática que as consequências a levam para um único lugar. Celeiro. Um internato voltado para pessoas que, como ela, passaram por situações nada fáceis. Lá, ela é selecionada para a aula Tópicos Especiais de Inglês, e é onde conhece Marc, Casey, Sierra e Griffin.

Nessa aula, eles debatem o livro Redoma de Vidro, da autora Sylvia Plath. No contraponto, eles também precisam escrever um diário. É escrevendo este romance próprio que todos eles são levados à “Redoma”, um lugar no qual tudo que aconteceu é apenas um sonho.

Fica claro que a grande questão é que, assim que o semestre se encerra, os sonhos e pesadelos voltam a se tornar o que sempre foram: realidade. E tomar a decisão de encarar uma realidade que os assusta é tudo menos fácil.

Redoma é um livro único e, ainda que a classificação seja young adult, sem dúvida traz muitos questionamentos que estão presentes em fases mais adultas da vida. Meg Wolitzer mais que conta uma história: ela nos traz reflexões que não temos como não absorver, questionar e reaplicar.

O que mais me chamou a atenção é o quanto o romance tinha todo o potencial para ser pesado ou infantil demais, o quanto poderia ter sido apenas uma leitura com adolescentes que choram muito e fazem pouco – e não foi. É desses difíceis de parar de ler, encantadores do início ao fim.

Gostei de como a autora desenvolveu a narrativa, como foi fácil me apaixonar pelo que estava lendo e o quanto as personagens vão amadurecendo ao longo das páginas. Sem dúvida, foi um livro que me pegou de jeito e que recomendo para todo e qualquer leitor.

Deixe seu comentário

* campos requeridos

Comentar via Facebook