[Resenha] Te Amo, Te Odeio, Sinto Sua Falta

Te Amo, Te Odeio, Sinto Sua Falta
Autor(a): Elizabeth Scott
Editora: Underworld
Páginas: 180
Avaliação: 5
Capa: 5 Diagramação: 5 Conteúdo: 5

Elizabeth Scott me surpreendeu mais uma vez com este livro maravilhoso. Resumidamente, até mesmo para não dar nenhum spoiler sem querer, Amy é uma menina alta e ruiva que há setenta e cinco dias perdeu sua melhor amiga, Julia, ou apenas J, como ela costuma chamá-la em suas cartas – ela as escreve mesmo sabendo que J nunca lerá.

A situação naturalmente não seria fácil, mas se torna insustentável para Amy quando não só ela vê a amiga morta ao seu lado, de olhos bem apertos, “olhando-a”, mas também passa a se culpar por aquela morte. Ela poderia pensar em suicídio, todavia a culpa a faz se manter viva, por achar que é merecedora de tanto sofrimento.

Novamente Scott trata de forma criativa a personalidade das pessoas. Amy pode perfeitamente ser qualquer pessoa que tenha passado por uma situação traumatizante, suas características são não absurdas, ou fora do comum, na verdade, são realistas e possivelmente vividas por tantas outras pessoas que se culpam por algo que fizeram – o que não necessariamente significa que elas de fato sejam culpadas.

Entretanto há coisas que não importa o quanto as pessoas falem para a gente, assim como falavam para Amy, acreditaremos a partir do momento em que nos perdoamos, ou aceitamos que – talvez, quem sabe – as pessoas também tomam decisões e algo ocorrido pode ser, na verdade, culpa delas, considerando que se pode culpar alguém em casos acidentais.

Em Te Amo, Te Odeio, Sinto Sua Falta, Elizabeth explora os sentimentos de Amy, desde os iniciais, vindos de antes da morte de Julia, quanto o resultado deles e o os que vêm em seguida. A confusão que se cria em torno de algo que não se gosta, mas está acostumado, dando espaço para o que sempre se desejou, e que agora causa estranheza.

Explora também o significado de família, ressalta a importância da criação e fala de causas e consequências de uma forma tão incrível que é impossível não se apaixonar pela leitura. Pelo livro, pelas suas personagens e pela história que ele conta.

Deixe seu comentário

* campos requeridos

Comentar via Facebook

1 comentário

  1. Janaina Barreto em

    Pelo título eu achava que era um romance, tipo, fim de namoro, sabe? Mas não, né? Vi você falando num vídeo sobre o outro livro dessa autora (garota morta viva, ou é menina rs) e depois de ler essa resenha estou achando que ela gosta de escrever coisas bem “polêmicas” O_o’ Acho que é bom, afinal, tanta gente escolhe escrever “mais do mesmo”, então é ótimo encontrar uma autora que corre pro lado oposto. Parece realmente ser um ótimo livro! Mais um pra lista >_<
    PS: e essa capa? *o*

    Responder